VOZ DO SILÊNCIO

 VOZ DO SILÊNCIO

Várias são as formas de nos comunicar, o ser humano pensador que é ao longo dos tempos além da fala foi desenvolvendo meios e métodos variados para se comunicar.   Inúmeras são as linguagens utilizadas por nós, a escrita, falada, por gestos, sinais, marcas, imagens, etc.    Ainda menino recordo quando pessoas de outras famílias visitavam nossa casa, naquele tempo reinava o respeito (ou obediência por temor) dos menores em relação aos mais velhos.   A meninada em regra não ocupava o mesmo ambiente em que os pais estavam, existiam regras e os pequenos quase nunca ficava ao redor dos adultos enquanto estes conversavam.   Se por acaso ficássemos próximos éramos “convidados” a nos retirar.   Curioso que o meu pai, lembro bem, tinha uma forma diferente de nos fazer afastar, o Sêrro velho não nos dirigia uma palavra, incontáveis vezes eu notava aquele olhar tipo furioso em minha direção, no fundo e sendo honesto, aquela forma silenciosa de me mandar sair atingia-me tal qual um bofetão.   De imediato, sem dar um pio ou questionar saia tão silenciosamente como fora a “voz do olhar fulminante”.   Anos depois, após calejar as nádegas em alguns educandários, estudar e aprender sobre as formas e meios de comunicação, chego a admitir que herdei um pouco daquele jeito de comunicar do meu pai, virtude ou vício nem sei, mas que herdei não há dúvida, apesar de tudo sou mais adepto a me comunicar através da fala.   Por tudo isso, entendo que nossas expressões nos relacionamentos são fundamentais para uma boa comunicação, e sem dúvida, é necessário sermos cuidadosos ao adotarmos as ferramentas que transmitem nossa voz ou intenção, de repente escolher instrumentos mais usuais e simples tornam a “mensagem” mais clara, de forma a não permitir interpretação diversa.   Não é por acaso que nossa sociedade usa largamente os termos “Quem cala consente” ou “Quem conversa muito dá bom dia cavalo”.   Por fim entendo correto afirmar que devemos estar sempre atentos para usarmos e interpretarmos bem o que vemos e ouvimos, até porque nesse planeta submetido a constante metamorfose existem mensagens nos comunicando muita coisa a todo o momento, e mais, O SILÊNCIO de muitos de nós se visto e analisado nas entrelinhas, pode soar como um INTENSO GRITO.   Acredita?

Miguel Francisco do Sêrro – Advogado e Historiador

 

Comentários

O Lábaro

Posts Relacionados