SOSSEGO

 SOSSEGO

Passos lentos, sem marcar o tempo, pouco importa que horas sejam.   O bater das ondas dá conta que o atlântico cobrira em  breve as ultimas pontas das negras e enlodadas pedras.   O forte soprar do vento torna um tanto quanto mais desengonçado o já desarrumado cabelo, e dai?   O mar não liga para aparência, poucas almas vivas perambulam pela orla naquela hora, e digo mais, nesse momento, quem escolhe respirar o ar puro de beira mar, tem certamente a ideia de que numa escala de valores, aparência senta no ultimo banco.   Uma paz de espirito sem tamanho gera um que de embriaguez na mente do distraído andante, o som das turbinas de airbus 320 retira momentaneamente do estado de transe o homem que segue descalço beirando o mar.   Um breve olhar de reconhecimento em direção à aeronave e pronto, é o que basta, nem perde tempo em identificar a companhia ou o suposto destino, pouco importa onde pousará, pensa ele.   Aquela mente zen não se ocupa com coisas sérias, cotações na bolsa de valores, queda ou alta do dólar ou euro, nem reportagem vê, ora, mas o time tal perdeu, ou ganhou, ele nem ai.   Mas os seus filhos estão assim….assado…e tal.   Os familiares uns desse jeito, outros daquele, e QUICO (O quê que eu tenho com isso)?   De repente o ser andante enquanto pôde, deu o seu melhor.   Esforçou-se, fez das tripas coração, se sacrificou, apontou e abriu caminhos, quis e trabalhou para produzir os melhores resultados.   Poderia ter feito mais e diferente, antes, talvez, hoje não mais.   No fritar dos ovos traz consigo a convicção de ter feito um trabalho de qualidade vida a fora.   Por tudo isso e outras coisas mais, não acelera.   Para ele tudo que se apresenta como urgente, já deveria ter sido feito.   O andante é exatamente a cara de alguém que merece SOSSEGO.   Longe de ter levado ate hoje uma vida de perfeição, mas numa estreita auto avaliação, consegue dar a si mesmo uma nota oito (8).   Ao observarmos, ate mesmo os passos marcados na areia daquele andante anônimo, as marcas mostram um que de leveza, que, se bem analisado, representa o sossego que ele usufrui, de corpo e alma.   Todas as pessoas, variando de tempo, espaço, momento, merecem nessa vida instantes de relaxante SOSSEGO.   Quer uma dica?   Fica bobo (a) não, use o(s) seu(s) enquanto pode.

Miguel Francisco do Sêrro – Advogado

Comentários

O Lábaro

Posts Relacionados