REEDUCACAO MOTIVADA

 REEDUCACAO MOTIVADA

Às vezes, somos forçados a nos submeter a transformações no decorrer do tempo, especialmente em épocas de crise.    Hoje num deslocamento de 100 km pude observar que o tráfego de automóveis era quase inexistente.   Ora, então é possível trafegar bem menos do que o usual, e de quebra, poluir menos, provocar ou se envolver em menos acidentes, neste caso, tudo e benéfico.   Com intenção de avaliar melhor o cenário, ainda em deslocamento parei num posto de gasolina, joguei água fria na cabeça e despertei alguns neurônios amotinados, que a meu ver aderiram satisfeitos à quarentena imposta aos brasileiros.   Neste período ruim, é notório que retornamos ao tempo da pré-escola, todos aprendendo dicas básicas da boa assepsia, ao implementar a prática do asseio estamos evitando de quebra, uma série de outros males.   Daí lembrar o antigo ditado, há males que vem para bem.   Sentindo que estamos passando por este estágio de reaprender os bons modos, me lembrei de um fato ocorrido recente.   Ao me encontrar com um colega de infância, cujas primeiras letras aprendemos juntos na escola Capitão Speridião, eis que meu amigo tivera acesso a uns escritos meus e expressou entusiasmado:    -Gostei do que li, você deu um rumo diferente pra sua vida.   Balancei a cabeça meio que concordando, entendi por bem não interrompê-lo.   E ele continuou.   -Lembro que você fazia as coisas e agia meio fora da lógica.   Numa sexta feira a noite uma galera resolveu matar aulas, recordo como fosse hoje, três pularam o muro, para fora, normal.   Só que naquele dia, você pulou o muro do Quintino Vargas, para dentro.   Meu colega de outrora disse essas palavras segurando meu ombro, como se aquele fato fosse coisa de outro mundo, e completou:    -Também, você era um dos poucos que gostava mesmo de estudar.   Confesso que fiquei calado, para não deixa-lo chateado.   Efetivamente, nunca gostei muito de estudar.   E mais, não conheço de verdade nenhuma pessoa que goste de estudar apenas e simplesmente por gostar, penso e defendo que o que as pessoas buscam mesmo são os RESULTADOS ADVINDOS DO ESTUDO.   Mal sabia ele que eu ao contrário de querer, eu precisava e tinha consciência de que me seria útil os benefícios provenientes do sacrifício advindo do estudo.   Voltando ao assunto do confinamento forçado, que tem o poder de reeducar, que entrega malefícios, mas também rende benefícios.   Apesar da nossa sociedade se intitular mal educada, de ter sido formada meio no chute, podemos e devemos dar a volta por cima.   Mesmo que no VELHO MUNDO, os humanos estejam sofrendo muitas derrotas, se contrariarmos a lógica, se formos perspicazes, passarmos todos por eficaz processo de REEDUCACAO sairemos vitoriosos ao final.   Repito, será necessário em alguns casos, contrariar a própria lógica das coisas, e com cautela, o Brasil voltará à normalidade.

Miguilim – Vendo uma luz no fim do túnel – Boa semana a todos!

Miguel Francisco do Sêrro – Advogado e Historiador

Comentários

O Lábaro

Posts Relacionados