Preços na indústria caem 1,29% em dezembro e fecham 2022 com alta de 3,13%

 Preços na indústria caem 1,29% em dezembro e fecham 2022 com alta de 3,13%

Os preços do setor industrial caíram 1,29% em dezembro de 2022 frente ao mês anterior, o quinto resultado negativo em sequência. Com isso, a inflação da indústria fechou o ano de 2022 com alta de 3,13%, terceiro menor valor acumulado no ano desde o início da série histórica, em 2014. Os dados são do Índice de Preços ao Produtor (IPP), divulgado hoje (1) pelo IBGE. A alta de 2022 foi aproximadamente 25 pontos percentuais (p.p.) menor que a de 2021.

“Esse resultado consolida a trajetória deflacionária da indústria iniciada no segundo semestre, que pode ser associada, em grande medida, aos preços em baixa das commodities no mercado internacional. Barril de petróleo, minério de ferro e insumos fertilizantes são alguns dos produtos de destaque nesse sentido. A redução do preço do óleo bruto, acompanhando os preços internacionais, além de exercer impacto direto sobre o resultado das indústrias extrativas, naturalmente provoca uma redução de custos ao longo da sua cadeia derivada, como o refino e os outros produtos químicos, com reflexo no preço final praticado nesses setores”, explica Felipe Câmara, gerente do IPP.

No caso dos alimentos, a ligeira alta observada em dezembro está associada a aumentos de preço pontuais. “Produtos com influência grande no resultado do setor, como carne bovina e leite, mantiveram a dinâmica de meses anteriores, com os preços em viés de baixa em face da maior oferta nesta época do ano. Influência superada por aumentos como o do açúcar cristal, provocado por uma expansão lenta da oferta nacional, ou do farelo de soja, que acompanhou a alta corrente do mercado internacional”, acrescenta Felipe.

O IPP mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, ou seja, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e de transformação. As atividades que, em dezembro de 2022, tiveram as maiores variações no acumulado no ano foram papel e celulose (19,45%), impressão (19,17%), perfumaria, sabões e produtos de limpeza (16,99%) e fabricação de máquinas e equipamentos (15,71%). Já as principais influências no acumulado da indústria geral vieram de refino de petróleo e biocombustíveis (1,23 p.p.), outros produtos químicos (-1,21 p.p.), alimentos (1,20 p.p.) e metalurgia (-0,87 p.p.).

Pela perspectiva das grandes categorias econômicas, o resultado anual se estabelece a partir da variação de 11,92% em bens de capital (com influência de 0,82 p.p.), 0,90% em bens intermediários (0,53 p.p.) e 5,18% em bens de consumo (1,79 p.p.).

Em relação ao mês de dezembro de 2022, a variação em comparação com o mês anterior foi de -1,29%. Em novembro, na comparação com outubro, a indústria havia registrado queda de 0,54%.

 

 

No último mês do ano passado, 15 das 24 atividades industriais investigadas apresentaram variações negativas de preço ante novembro, seguindo o sinal da variação na indústria geral. Os destaques foram: indústrias extrativas (-7,21%); refino de petróleo e biocombustíveis (-5,46%); madeira (-2,96%); e outros produtos químicos (-2,79%). Em termos de influência, as atividades que mais sobressaíram foram refino de petróleo e biocombustíveis (-0,68 p.p.), indústrias extrativas (-0,33 p.p.), outros produtos químicos (-0,25 p.p.) e metalurgia (-0,08 p.p.).

Entre as grandes categorias econômicas, a variação de preços na passagem de novembro para dezembro foi de 0,85% em bens de capital (com influência de 0,06 p.p.), -2,08% em bens intermediários (-1,21 p.p.) e -0,43% em bens de consumo (-0,15 p.p.).

Saiba mais sobre o IPP

O Índice de Preços ao Produtor – IPP, cujo âmbito são as indústrias extrativas e de transformação, tem como principal objetivo mensurar a mudança média dos preços de venda recebidos pelos produtores domésticos de bens e serviços, bem como sua evolução ao longo do tempo, sinalizando as tendências inflacionárias de curto prazo no País. Constitui, assim, um indicador essencial para o acompanhamento macroeconômico e, por conseguinte, um valioso instrumento analítico para tomadores de decisão, públicos ou privados.

O IPP investiga, em pouco mais de 2.100 empresas, os preços recebidos pelo produtor, isentos de impostos, tarifas e fretes, e definidos segundo as práticas comerciais mais usuais. Coletam-se cerca de 6.000 preços mensalmente. Adotando a Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE 2.0, o IPP gera indicadores para 24 atividades das indústrias extrativas e de transformação, além de reorganizar os mesmos dados em grandes categorias econômicas, abertas em bens de capital, bens intermediários e bens de consumo (duráveis e semiduráveis e não duráveis).

Para mais informações sobre esse assunto acesse a página do IBGE na Internet – www.ibge.gov.br ou diretamente na Agência de Notícias IBGE – http://agenciadenoticias.ibge.gov.br/

Comentários

O Lábaro

Posts Relacionados