DEUS E A TOLERÂNCIA

 DEUS E A TOLERÂNCIA

Muitos de nós no decorrer da vida somos obrigados a passar por grandes provações que, não fosse com a ajuda e benevolência de Deus, não conseguiríamos superar.   Num trecho bíblico fica evidente que até Jesus acaba por perder a paciência com mercadores que no templo sagrado, negociavam em busca de lucros, Jesus com todo o seu poder não tolerou os comerciantes gananciosos.   E Deus?   O que dizer da PACIENCIA DE DEUS?   Lidamos constantemente com limites, enfrentamos verdadeiras barras, e acabamos por superar algumas, aceitar ou tolerar o sofrimento gerado por outros perrengues, e, vida que segue.   Fácil não é, mas parar no tempo não é a melhor opção.   Os ensinamentos advindos dos escritos antigos, livros sagrados, bíblia, instruem sempre que devemos amar o próximo, cuidar, auxiliar, enfim, tratar uns aos outros como verdadeiros irmãos.   Só que a humanidade de modo geral não agia assim, levava tudo naquela de olho por olho e dente por dente, ninguém queria saber dessa de amai-vos uns aos outros como Deus nos tem amado.   Analisando o que Deus esperava de nós e a resistência geral do povo em atender ao Criador, chego a pensar que o Todo Poderoso perdeu a paciência conosco, daí, o bando de filhos desobedientes precisa de um corretivo.   Já que os humanos não querem viver em harmonia, em paz, e amando uns aos outros, Deus tomou as rédeas, de agora em diante nem se quisermos não poderemos mais ficar um junto do outro, somos obrigados a nos afastar, os perfumes e desodorantes usados para provocar atração entre as pessoas, perderam espaço para umas gotas de álcool, não nos abraçaremos mais, nem pegar nas mãos nos será permitido.   Já que vivíamos nos digladiando o tempo todo, ao invés de cultivar o amor e compreensão passávamos boa parte do tempo nos agarrando em brigas e discórdias sem fim, doravante, já que gostamos, fiquemos pois uns longe dos outros!   Assim disse Deus!   Tempo virá em que irão chorar por um abraço, um afago e um beijo, de tanto lhes dar o que precisavam e não reconhecerem resolvi lhes dar o que pediam, e, de castigo, haverão de ficar por bom tempo uns afastados dos outros.   Depois se orarem com fé, quando reconhecerem seus erros eu, no meu tempo, lhes permitirei de novo retomar a vida de harmonia, paz e alegria como verdadeiros irmãos, completaria Deus.   O que fazemos com filhos teimosos?   Castigamos.   Daí, tanto Deus insistiu conosco que permitiu esse minúsculo vírus surgir para nos colocar no nosso devido lugar.   Castigados e carregados de sofrimentos passamos, agora um tanto mais humildes, a esperar que Deus afaste esse mal, e nos dando mais um voto de confiança, traga a verdadeira cura, afastando de vez esse mal que assola o planeta.   Vejo tudo isso se analisado no aspecto religioso, como se fosse uma resposta, assim penso, assim escrevo, cabe pois a você ler e refletir.

Miguilim triste! – Bom Domingo!

Miguel Francisco do Sêrro – Historiador

 

 

 

Comentários

O Lábaro

Posts Relacionados