A cada dia menos verde

 A cada dia menos verde

Uma árvore não é só um acessório do mobiliário urbano

No dia 21 de setembro é comemorado o dia da árvore. A planta em suas diversas espécies embeleza os mais variados cenários durante a primavera com sua riqueza de cores e perfumes.

A época, conhecida por estação das flores, proporciona, por exemplo, a avistagem do florescimento de ipês e suas diversas cores. Campos e cidades se tornam mais lindos e alegres e as pessoas aproveitam para fazer os registros de momentos que só a estação florida tem.

 

Por trás de tantas belezas, as árvores possuem um papel fundamental. Elas são o principal regulador do clima.  Onde existe floresta, seja de origem nativa ou exótica, nota-se uma diversidade enorme de espécies da fauna e flora, que auxiliam na preservação dos córregos e mantém a biodiversidade.

A  falta de árvore traz consequências também para a alimentação. Sem árvore, não tem precipitação contínua de chuva, não tem agricultura. Nota-se que em cidades arborizadas o clima é mais agradável. Também tem a função de captar impurezas, desse modo protegem nosso planeta e limpam nosso ar e até mesmo nosso solo. Existem algumas espécies que servem para capturar metais pesados do solo. Resumindo, as árvores são reguladoras do nosso ecossistema e, dadas as funções acima, se não agirmos a tempo preservando as árvores que restam e cuidando para que mais sejam plantadas, o que nos espera é um clima cada vez mais desagradável, com falta de alimentos, energia, água, o básico para a sobrevivência, além, claro, das catástrofes ambientais. Atualmente, as florestas já foram reduzidas a 32%.

Rua da Abadia – Paracatu

Na cidade de Paracatu o cenário é preocupante, pois a cada dia é observado, no perímetro urbano, o crescente número de cortes de árvores e podas drásticas. Além disso, a economia da cidade tem grande apelo em torno da agropecuária e da mineração, o que implica pensar na necessidade de áreas verdes para minimizar o impacto do desmatamento. As consequências já estão presentes, o calor e a falta de chuvas são perceptíveis.

Nesta manhã, uma cena que pra muitos pode ser comum, saltou aos olhos, mais uma árvore, que há anos estava presente no cotidiano da cidade, foi cortada. O local é a Rua da Abadia. Perguntado sobre o porquê do corte, um trabalhador da prefeitura que estava presente no local prontamente respondeu que receberam um ofício sobre o corte da árvore e cortaram. Simples assim!

Um morador relatou que o motivo do corte seriam as raízes extensas da árvore que estavam a extrapolar da calçada e que poderiam causar danos maiores, que outra árvore será colocada no local. A árvore foi plantada há mais de 30 anos. Seria mesmo a solução cortar ou ter outros cuidados?

O histórico em Paracatu é de vários cortes de árvores sem necessidade. Cortaram-se muitas árvores com desculpas de que estavam atrapalhando ou sujando. Para os cidadãos e políticos parece chamar pouca atenção às questões ambientais, no entanto, é o que vem antes na geração de qualidade de vida, ao ter um ecossistema preservado, tem-se mais garantir os recursos naturais para nossa sobrevivência.

Em 05 de outubro de 1988, com a promulgação da Constituição brasileira denominada Constituição Cidadã, por dedicar dispositivos essenciais aos direitos e dignidade das pessoas humana, está incluso um capítulo específico para o Meio Ambiente. No art. 225 é estabelecido que o meio ambiente é um bem comum de todos e, portanto, não apenas o poder público, mas a sociedade devem zelar pela sua preservação. Precisamos preservar e cuidar melhor do meio ambiente a fim de que as presentes e futuras gerações possam desfrutar dos seus benefícios.

E, se tratando de projetos urbanísticos, é possível ter discussões proveitosas e encaminhamentos que vão ao encontro das necessidades de cada município e Estado, nos termos do artigo 49, da Lei 9.605/98. Conforme Sanchotene (1994, p. 39): “Por sua vez quem destrói ou danifica, lesa ou maltrata por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedades privadas alheias cometem crime ambiental e será penalizado nos termos da lei”. Sendo assim é dever de toda a população, através da coletividade, proteger e zelar pelo meio ambiente.

Comentários

O Lábaro

Posts Relacionados